Comecei no passado fim-de-semana o meu caminho na Arte Terapia, onde sei que a fotografia irá ter a sua representação. Só ainda não sei como, mas por isso mesmo é que vou ter um longo percurso de estudo e não fico por um workshop de algumas horas. Vai ser um trajecto duro mas concerteza prazerosamente rico em conhecimentos, auto-conhecimentos e memórias. Finalmente um curso onde posso ligar as artes de alguma forma à minha existência e a um futuro profissional!

O tema do primeiro workshop foi “levezito”, imaginem só: “O Amor”. Bem, foram dois dias intensos com actividades, emoções e memórias. Parece que estou a falar de uma festa de casamento quase, mas não. Foi trabalho do duro. O mote foi dado por um livro infantil do escritor Jorge Amado: O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá. Uma leitura que tem tanta profundidade quanta lhe quisermos dar ou a que necessitamos num dado momento.

Foram várias e variadas as actividades que fizemos durante os dois dias, uma delas foi escrever um poema. Coisa que eu não me aventurava vai pra’i uns 10 anos na boa. Mas como estava já no segundo dia, e depois de ter ouvido: “agora escreveram um poema em 15 mins sobre o amor”, nem racionalizei muito bem a coisa porque senão tinha ficado bloqueada. Mas eu lá sei escrever poemas, no máximo escrevo o que me vem à cabeça e tento que rime aqui e ali, e assim o fiz. Aqui vai o resultado dessa aventura de 15mins na poesia:

Isto de nos permitirmos ir de encontro à nossa essência tem o seu lado fascinante e misterioso, pois se por um lado se pode ficar com a cabeça do tamanho de um iate com tanta informação e por conseguinte o corpo começa a revelar que está cansado a alma, por sua vez, está a sorrir como uma criança que vê um bando de balões serem soltos ao vento. Foi neste espírito e leveza que me permiti dar largas à imaginação e criar a imagem que dá rosto a este post. É uma colagem digital pronta para ir para a minha galeria imaginária. Talvez um dia se torne real, por agora a minha alma sorri e eu vou aprendendo e criando até chegar o momento da partilha.

Tempo é Arte,